6 de março de 2015

Quibe recheado com azeitona

Deus foi muito bom conosco quando escolheu (e fez com que encontrássemos) o lugar onde moramos atualmente. Digo que foi um achado, coisa de Deus mesmo, porque nem estávamos com planos de comprar apartamento na época, mas por um acaso, ou melhor dizendo, por uma sucessão de providências divinas (quando Ele mexe os pauzinhos para que a gente realize certas coisas), nós viemos parar na porta desse condomínio e, depois que vimos tudo assim lindo e pronto para morar, não houve mais o que pensar, nosso novo lar estava definido e nos mudamos quatro meses depois. 

Além de ter muito espaço, áreas de lazer e muita segurança, fatores que considero indispensáveis para se criar um filho, a turma que mora no condomínio é muito animada! As mulheres são amigas e unidas, as famílias se reúnem aos finais de semana à beira da piscina e organizam diversas festinhas de confraternização no decorrer do ano e em todas as datas especiais. Um dos eventos é uma reunião mensal onde cada morador leva um petisco ao estilo comida de buteco. A querida Nélia (e para quem está chegando no blog por agora, Nélia foi cozinheira da família do meu marido e anjo da guarda dos meninos por mais de 40 anos), que agora está morando aqui em casa, fez um quibe recheado de-lí-cia e muito fácil (e barato) de fazer. Segue a receita!


Quibe Recheado com Azeitona

Rendimento - 34 quibes de tamanho médio

Ingredientes

250 g de trigo para quibe (encontra em qualquer supermercado)
250 g de carne moída duas vezes
Azeitonas sem caroço para rechear
1 punhado de hortelã
1 cebola grande
1 colher de manteiga
2 dentes de alho grande
1 colher de sobremesa de maisena


Modo de fazer

Deixe o trigo de molho em um pouco de água de um dia para o outro. Escorra o trigo, acrescente a hortelã picadinha e a carne moída, misturando bem com as mãos. Em uma panela, adicione uma colher de manteiga e doure o alho picadinho. Adicione a mistura de manteiga e alho à massa, para temperá-la. Rale a cebola sobre a massa e misture tudo muito bem com as mãos. Adicione sal e pimenta do reino aos poucos e vá provando até chegar ao ponto ideal de tempero.

Molde uma bolinha, adicione a azeitona e feche a bolinha, moldando-a no formato do quibe. Frite em uma panela com óleo aquecido, colocando uma colher de sobremesa de maisena no óleo quente, para que o quibe fique sequinho.


  


9 de fevereiro de 2015

Fábrica de papinhas para um bebê guloso!!!

Hahaha, gostaram do meu título? Pois aqui estamos assim, fabricando no atacado! E o meu Gabriel come bem que dá gosto! Ele puxou o apetite do meu marido, que também era uma criança bem gulosa! Eu iniciei as papinhas no 6º mês (frutas no 4º mês) e já aprendemos várias coisas na prática. 

A primeira coisa que eu gostaria de falar para vocês é sobre a importância de ter utensílios bpa free. BPA é o bisfenol, substância tóxica que é liberada pelos plásticos e ninguém vai querer expor o filho a substâncias tóxicas, certo? Tenho notado que a maioria das marcas, mesmo as mais baratas, já estão fazendo coisas para bebê sem bisfenol. Então, quando for comprar copinho, prato, colher e potinhos, olhe se tem na embalagem: bpa free!!!

Principalmente nos potinhos para congelar ou usar no microondas. São nesses processos que o bisfenol libera mais para a comidinha dos bebezinhos. Eu pesquisei muito até encontrar o que considero ser o melhor potinho. É da marca First years, importado no Brasil pela marca Girotondo. Vende nas lojas online da Americanas, Submarino, Shoptime, etc. Fica mais fácil a busca colocando potes girotondo. Eu comprei os potinhos de 136 ml (indicado para 6 meses) em São Paulo, na PB Kids do Shopping Morumbi e comprei os potinhos de 233 ml (indicado para 9 meses) na Tool Box do BH Shopping.
Comecei usando os potinhos de 136 ml.Nos primeiros dias, ele não comia nem um pote inteiro. Logo notei que ele já aceitava 1 potinho e meio. Atualmente, estou mandando para a escolinha dois potes pequenos quase cheios ou 1 pote grande. Não encher até em cima, pois o potinho muito cheio não fecha legal.
Para a fábrica de papinhas ser mais funcional e dar pouco trabalho para a mommy, comprei um conjunto de mixer e miniprocessador maravilhoso e com precinho super bom, que é o Mixer Cuisine IBE 20 da Electrolux. Aqui em casa, todos os eletrodomésticos da cozinha e área de serviço são dessa marca!
Então, sem mais delongas, vamos às papinhas. A base de legumes e verduras para as papinhas está na foto abaixo. A papinha precisa ser colorida e ter alimentos de diversos grupos de alimentos. O pediatra é o mais indicado para passar cada grupo de alimento e a mãe faz o mix que preferir.
Não estou usando sal de jeito nenhum na papinha e vou tentar manter pelo máximo de tempo possível. Testei temperos durante este mês e o que fez a papinha ficar mais saborosa foi esse:

1 cebola + 1 bom punhado de salsa + 2 dentes de alho, batidos no mini processador. Esta misturinha dá para temperar as duas papinhas que estou mostrando neste post, coloquem metade do tempero em cada uma.
E aqui estão os ingredientes das duas papinhas:
Rendimento: 12 potinhos pequenos de papinha de frango e 6 potinhos grandes de papinha de músculo
O feijão foi cozido previamente e entrou nas duas papinhas. A primeira papinha levou músculo e tiramos todo o nervo, deixando a carne bem limpinha.

Passo a passo: 1 - refoguar a carne no tempero e azeite (só usei azeite porque aqui em casa só tinha óleo de soja e a pediatra falou que não era bom. Vou comprar o óleo de girassol para as próximas). 2 - acrescentar legumes, cobrindo com água. 3 - depois de cozidos os legumes acrescentar o feijão e duas folhas de couve picadas grandes (depois que cozinhar bem, tire a couve e jogue fora). 4 - amassar a papinha com o mixer, formando um purê grosso. 
E aqui está a papinha de músculo pronta nos potinhos de 236 ml.
ATENÇÃO: Dois vacilos que nós cometemos nesta papinha de carne: como eu não quis fazer o músculo na panela de pressão (comprovadamente perde nutrientes na panela de pressão), cozinhamos na panela comum, junto com os demais ingredientes. A carne não ficou durona, mas não ficou macia como eu gostaria. Na próxima vez devo cozinhá-la separadamente. Vou também perguntar a pediatra se posso usar patinho ou se músculo é realmente o mais indicado.

Ah, eu estou falando no plural "nós" é porque quem me ajudou foi a Nélia, velha conhecida de quem acompanha o blog. A Nélia mora com a família do Jean há mais de 50 anos, criou o Jean e irmãos com muito amor e agora ela veio morar com a gente! Não para trabalhar, mas para ser tratada como rainha! Porém, me dei muito bem com essa vinda, rsss. Eu e o Jean, na verdade. Porque a Nélia dá uma valiosa ajuda com o Gabriel, tem por ele o maior amor e ela é uma super cozinheira forno e fogão (quem já andou bem pelo blog, também sabe disso). Então, no quesito comer, estamos beeeeem! Inclusive, vou passar a fotografar alguns pratos que ela fizer para colocar no blog.

O segundo erro é que a cenoura ficou um pouco dura. Na papinha de frango, que fizemos depois, já cozinhamos a cenoura separada e passamos depois no processador. Coisa mais mara o tal de mini processador, deixa o legume picado do jeito que você quiser, em pedaços maiores ou bem pastoso!

Olha o trabalho bom que o processador faz no frango, desfia lindamente! In love por esse processador!
Não pude fotografar o início do cozimento dos legumes porque essa papinha ficou mais por conta da Nélia, pois, se não me engano, fui dar mamadeira para o Gabriel dormir.

Passo a passo: 1 - Cozinhar os legumes, cobrindo com água. 2 - Refogar o peito de frango no tempero e azeite e desfiar no mini processador (refogamos separado dos legumes).  3 - Depois de cozidos os legumes acrescentar o feijão. 4 - Amassar a papinha com o mixer, formando um purê grosso. 5 - Acrescentar o brócolis picado bem pequeno. 6- Acrescentar o frango desfiado.
Para congelar, estou usando uma metodologia que li em vários lugares que é esta: coloca a papinha quente no potinho e coloca todos os potinhos em uma forma com água gelada (ou pedras de gelo). Feito o resfriamento, pode-se colocar no congelador.
E aqui o meu estoque para duas semanas. Muito bom!
Para descongelar: você pode descongelar no microondas ou na panela. Eu não descongelo no microondas porque não tenho comprovação se faz mal ou não, então prefiro evitar microondas a todo custo.

Atenção: estes potinhos não podem ser fervidos, então, não pode ser no banho maria. Eu tiro o potinho logo de manhã e coloco em um pote com água dentro da geladeira para descongelar (isso aos finais de semana, porque durante a semana, os potinhos vão congelados na bolsa térmica para a escolinha. Se elas usam microondas lá, prefiro nem perguntar!...........). Depois coloco o conteúdo na panela, pingo um pouquinho de água e aqueço rapidinho.



Espero que as minhas informações sejam úteis para várias mamães! Bjoooooossssssss

2 de fevereiro de 2015

Fim da licença e bebê na escolinha!

Oi, queridos! Saudades de bater um papo bem gostoso por aqui! Preparem-se, pois vou falar muito! Adoro mega posts!!!

Então, pessoal, fazendo um resumo da minha nova vida de mãe, posso dizer que é simplesmente um sonho realizado, o melhor de todos, sem sombra de dúvidas! Passado o primeiro (caótico) mês de vida do bebê, as nossas vidas melhoraram muito! Com a rotina iniciada no segundo mês, o fato de ensinarmos ao bebê a dormir antes das 20 horas, o fato de ele começar a dormir a noite toda antes dos 3 meses de idade, tudo isso foi nos dando mais tempo, devolvendo momentos de vida importantes, para mim, para o Jean como indivíduos e como casal.

Voltei a ter tempo de me cuidar, de exercer minha vaidade, de planejar um programinha com o marido...


Pudemos nos dar ao luxo de fazer saídas noturnas e diurnas e, mesmo em casa, fazermos coisas diferentes, como fazíamos no nosso primeiro ano de casados. A "privação" que a maternidade trouxe nos fez ficar mais criativos e realmente buscar por um tempo de qualidade juntos. Durante a semana, é tudo muito corrido e, como tudo parece vir ao mesmo tempo na vida, o Jean ainda precisou iniciar um MBA e sessões de coaching, devido a demandas do cargo que ele ocupa. A carga de trabalho dele também aumentou, pois foi promovido um mês antes do nascimento do Gabriel. Mais responsabilidades, mais trabalho, menos tempo para a família. Por isso mesmo, temos buscado criar tempo para curtir a dois e digo que foi muito bom, pois os anos de casamento vão trazendo uma certa acomodação e hoje, eu e o Jean valorizamos cada sexta e cada sábado à noite e procuramos fazer coisas juntos.

Outra coisa muito boa é que voltamos a receber e visitar amigos! E eu voltei para a cozinha fazendo receitinhas! Uhuuu!
Sobre a minha licença maternidade, posso dizer que aproveitei demais o Gabriel! Filmei cada passo do seu desenvolvimento, fotografei cada gracinha, vivi intensamente os primeiros seis meses de vida do meu pequeno! Tudo foi novidade para mim também, porque nunca na vida passei tanto tempo em casa, sendo dona de casa e mãe em tempo integral.
Inclusive, posso colocar na minha lista de séries favoritas de TV, a que marcou o período da minha licença maternidade: Desperate Housewives! Eu comecei a assistir em algum ponto da licença que não me lembro qual, me identifiquei tando com todas aquelas mulheres e concluí a última temporada bem no finalzinho dos seis meses. Fim de um ciclo, definitivamente!

Digo hoje que entendi o significado da expressão "Rainhas do Lar". Porque uma mulher que faz a opção de ser uma dona de casa, de abrir mão do trabalho para cuidar dos filhos e da casa, realmente merece ser chamada de rainha. Porque, queridos, é um trabalho difícil demais! Eu confesso minha absoluta pouca ou nenhuma vocação para o ofício de dona de casa e mãe em tempo integral e admiro muito as mulheres que têm essa força e essa coragem. Guerreiras, recebam o meu aplauso!!! Porque eu, mesmo tendo faxineira, passadeira, pegando almoço fora, não dava conta! Um bebê e uma casa demandam cuidado constante, é preciso muito talento!

E então a minha licença acabou, e acabou da maneira mais radical possível, com uma viagem de trabalho três dias, já na segunda feira de retorno. Tomei um choque, pois queria uma transição mais suave para o meu filhinho. Mas encarei. Quinze dias depois, de novo no avião. E as selfies passaram a ser nos hotéis e nos aeroportos...
Foi gostoso voltar a um ritmo de trabalho, me arrumar para sair, conversar com pessoas diferentes. Em diversos pontos, eu gostei. E fiquei super bem em São Paulo, principalmente devido ao fato de saber que o Gabriel estava feliz e tranquilo em casa, sendo cuidado pelos meus pais e pelo Jean. Na primeira semana, eu ligava ou perguntava no whatsapp sobre ele e sempre me informavam que estava bem, o que era verdade. As saudades eu amenizava pela câmera do quarto dele, o vi brincando, sendo trocado, posto para dormir... Me ajudou muito essa bênção de câmera! Até cheguei a pensar que ele não estava se lembrando de mim, de tão bem que ele estava. Mas, minha mãe me contou que ao dizer mamãe ele chorava e ao ouvir minha voz pelo whatsapp, ele chorou também. Ufa!... Meu filho se lembrava de mim!
E o dia do meu retorno foi uma delícia! Ele estava tomando banho com o Jean e me olhou assim meio com cara de paisagem. Mas\ depois, no berço, me abraçou e me encheu de beijos, rendendo um dos vídeos mais legais que já fizemos! Muita gente me contou que viu inúmeras vezes (eu também)!!!

Só que, após o meu retorno de viagem, eu percebi que a minha ausência desencadeou nele a crise dos seis meses. Existe um texto bem esclarecedor sobre o que é esta crise neste site aqui, explicando no detalhe. Eu saí de casa ainda na madrugada de segunda feita e exatamente na primeira noite da minha ausência, ele começou a acordar várias vezes entre 20 horas e meia noite. E, às vezes, acordava uma vez na madrugada também. Era preciso irmos lá no berço, passar a mão nele para que ele se acalmasse e dormisse novamente. Essa crise durou exatos 17 dias. Pobres dos nossos bebês, acabam sentindo mesmo... Concluímos que é preciso um ajuste na minha vida profissional, nessa questão das viagens constantes, etc e tal, porque não ficou legal para meu filho. Mas, por mais que eu mude a minha vida, no ponto da minha carreira, é impossível que eu não tenha uma viagem para fazer ocasionalmente. Por isso, todo mundo tem de se adaptar mesmo.

Como eu vejo a questão da carreira x família? Deixar de trabalhar para mim não é uma opção por dois motivos: primeiro que, pelo nosso padrão de vida, pelas coisas que a gente almeja ter e oferecer para o Gabriel, os dois precisam trabalhar. Segundo é que eu quero ter uma carreira, é uma necessidade e uma vocação para mim. Na verdade, existem os defensores dos dois lados e sempre vai ter alguém detonando um deles: se a mãe trabalha fora, vai ter quem diga que é um absurdo, uma crueldade com a criança, mãe sem coração, por que foi por filho no mundo, etc. Se a mãe opta por ficar em casa, vai ter sempre um preconceituoso chamando-a de Amélia, que absurdo num mundo desses não trabalhar e deixar tudo por conta do marido, que fica a toa e não faz nada em casa (um total absurdo dizerem isso)... Enfim, se nem Jesus Cristo agradou todo mundo...

Para mim, o que importa é que eu estou lutando para dar o melhor para o meu filho. E que, nos momentos em que eu passar junto a ele, eu lhe dê toda a atenção, amor e cuidado que ele precisa. 

Mas, vamos falar agora sobre a escolinha? Eu e o Jean escolhemos a escolinha para o Gabriel já no segundo mês de vida e eu falei sobre isso neste post aqui. A escolinha solicita uma lista grande de materiais, porque o período é integral. E eu organizei a mini mudança dele assim:

Aqui está tudo o que eles pediram, roupas, materiais de higiene, roupas de cama, brinquedos.
Na lista eles pedem para enviar roupas para diferentes temperaturas, pois podem ocorrer mudanças climáticas no decorrer do dia. Para facilitar a minha vida, eu montei cinco kits com roupinhas para a semana. Assim, eu me livro de arrumar a bolsa dele toda noite. É só colocar o kit do dia!
Cada kit tem: uma camiseta sem manga, um body manga curta e um manga longa, um shortinho, uma calça, uma fralda de boca, uma fralda de ombro e uma meia.
Em uma caixa vão produtos de uso diário, tudo com o nome da criança
Mandei também o chapeuzinho e o filtro solar para o banho de sol.
Pediram na lista dois brinquedinhos preferidos e um livro de plástico.
Pediram babador e tenho de contar para vocês minha experiência com babadores: eu comprei o kit da Carter's e uma amiga deu também um babador fofo, então ficamos com quatro babadores. Gente, precisa ter uns dez!!! A cada refeição, o babador fica imundo! Quando vi este de plástico, pensei: vou testar para a escolinha. Aprovadíssimo! Fica super firme no pescoço tampando tudo, tem uma bolsinha cata resto embaixo, limpa fácil com pano. Deixei os de pano para usar em casa e esse foi para a escola.
Lancheira térmica da marca que está super bombadinha a skip hop. Coisa mais cara isso, gente! Aliás, horrorizante os preços de tudo para criança, desde utensílios até escola, festa de 1 ano, tudo carísssimo, ter filho é caro demais, pessoal, temos que ralar e trabalhar muito!!!
Roupas de cama e banho e saco de roupa suja.
Sacola com mais coisas que eles pediram, tudo com nome:
Fraldas, algodão, lenços umidecidos e de papel, sabonete líquido (uso o cabeça pés até hoje, funciona como shampoo, acho ótimo) e um rolo de saquinhos plásticos.
Mandei também uma lata do leite que ele toma para o lanche das 17 horas.
E as papinhas! Vou fazer um post com essas duas papinhas que fiz e mostrar todos os utensílios da minha fábrica de papinhas, rsssss, que está funcionando super bem, faço papinha suficiente para duas semanas e o bebê está comendo tudo!
E, para eu ficar tranquila e a equipe de berçaristas também, fiz uma folha com a rotina dele e uma programação das frutas da semana. Existe a opção de mandar a fruta todo dia ou enviar semanal. Nós optamos por já enviar para a semana toda, bem mais prático. O que eu quero é me livrar de ter de ficar no preparo de coisas todo dia à noite ou pela manhã. Do jeito que está programado, é só colocar o kit de roupas na bolsa e a papinha do dia na lancheira, pois o resto já fica na escola. Quem já me conhece aqui do blog sabe que eu planejo tudo super no detalhe, mas é a maneira que eu sei viver e deixar as coisas no jeito para não ter trabalho depois!


E aqui, a foto do pequeno indo para a escola, com sua lancheira maior do que ele, kkkkkk! 



Sobre o dia na escolinha, foi do jeito que eu imaginei, super tranquilo! Eu e o Jean fomos cedo levá-lo, entregamos as coisas, conversamos um pouco com a berçarista que o recebeu e com a coordenadora pedagógica e ele já foi de início para o braço da berçarista sem chorar. Ele só chorou na hora em que ela o colocou em um cercado tipo de espumas, que elas chamam de estimulação. Ele costuma chorar quando o colocamos pela primeira vez em algo que ele não conhece (foi assim com a cadeira alimentação). Quando eu e o Jean fomos embora, ele nem notou, pois já estava com um brinquedinho da escola na mão e junto a outros dois bebês, encarando-os e fazendo amizade, kkkk. Familiares acharam que eu ia ficar triste, com aperto no peito. Que nada! Acho que talvez eu seja moderna demais, mas tudo o que eu queria é que ele fosse para a escolinha, conviver com outras crianças e se desenvolver.

E, quando eu fui buscá-lo, vi que as coisas fluíram exatamente como eu esperava: ele ficou tranquilo, deu uns chorinhos quando estava com sono, que são choros normais de qualquer criança, comeu bem, tudo certinho. A coordenadora pedagógica falou que, quando a mãe é tranquila, a criança fica bem. E, assim que eu cheguei na escola, vi uma cena que me deixou muito feliz! Os bebês estavam todos na área externa, que possui um gramado artificial, e as berçaristas estavam cantando para eles. E o Gabriel estava no colo de uma delas, interagindo com os bebês. Era tudo o que eu queria!

Bem, deu para vocês verem que está tudo certinho por aqui e que eu tenho de agradecer imensamente a Deus, meu maior amigo, meu protetor, meu tudo. Em breve volto para postar as papinhas que estamos fazendo.

Beijos, beijos, beijos,

Kate

Update:
1 - Esqueci de contar que ele ficou super empolgado quando chegou em casa. Na garagem, ao ficar de frente para a porta do elevador, reconheceu que havia chegado em casa e começou a pular no meu braço como um sapinho saltitante, rsss. Foi saltitando por todo o trajeto até a porta de casa. Ele e Bruce fizeram uma bela farra um com o outro.

2 - Bate uma saudadezinha na metade do dia... Nada que não se possa amenizar dando uma olhadinha nas fotos do pequeno!

28 de dezembro de 2014

O Batizado do Gabriel

Hoje eu venho mostrar para vocês um momento muito importante da vida do meu filho, que marca o início da sua vida cristã, recebendo o Espírito Santo de Deus e sendo ainda mais abençoado: o seu batizado!

Eu e o Jean somos católicos praticantes e os sacramentos da igreja são muito importantes para nós. Decidimos celebrar esse momento de maneira bastante íntima, em família e tendo como enfoque maior a celebração do batismo.

Como o chá do Gabriel foi em Belo Horizonte, assim como será o aniversário de 1 aninho, decidimos que o Batizado seria na cidade onde mora a minha família, no interior de Minas.

E assim, nessa igreja linda, no dia 28 de dezembro de 2014, o nosso rapazinho foi batizado com água, ungido com óleo e se encheu da presença de Deus! Como disse o querido Padre Paulo, ele agora faz parte do povo de Deus! Amém!!!




Os padrinhos mais que queridos, minha irmã Kênia e meu cunhado Rodrigo, que serão um exemplo de bons valores para o meu filho e pessoas com as quais ele sempre poderá contar!

 
Meu príncipe recebendo muitas bênçãos de Deus!!!





Com o papai que está cada dia mais apaixonado por esta delícia de bebê bonzinho!











Após a cerimônia, nós fomos celebrar no restautante Concept, que elaborou um cardápio especial para nossa comemoração. Foi tudo uma delícia, o ambiente e o menu!



E o look da mommy! Me perguntaram no instagram se era vestido ou conjunto e já respondo que era um conjunto de blusa croped e saia de cós alto.

E os looks da minha mãe, irmã e cunhada







Meu príncipe, abençoado por Deus e pelo anjinho Gabriel, que sempre está velando por ti, meu amor!







Meu sobrinho lindo com o vovó Juarez é o Rafael, mais um anjinho da família, dando uma bênção especial no priminho Gabriel.


Não é motivo para vela, mas o garçom trouxe para agradar, e, como para gente tudo é festa, "bora" soprar as velinhas!



Eu sempre gosto de dar lembrancinhas que sejam úteis ou que sejam comestíveis (yummy). Pela segunda vez, optei por encomendar produtos da Loja Olá Baby. As meninas são super atenciosas e fazem de tudo para agradar e atender aos anseios dos clientes. E tudo é lindamente personalizado! Para os padrinhos, demos esta caixa com uma mensagem, expressando os motivos que nos levaram a escolhe-los. Dentro, um aromatizador um sabonete líquido, que certamente serão úteis.


As vovós e a bisa também receberam aromatizadores, juntamente com um porta retrato com o Gabriel usando a roupa do Batismo.

E foi assim, com muita alegria e sentidos-nos repletos pelas graças de Deus, que o Jean e eu batizamos o nosso filho. Este provavelmente será o último post pessoal do Gabriel. Concluí que quem escolheu a exposição no dia a dia fui eu e não ele. Mas, não podia deixar de compartilhar para o mundo esse momento de bênçãos, de comunhão com Deus e de gratidão. Somos imensamente gratos a Deus por tudo o que temos recebido. Desejo que todas as pessoas que lerem esse post também sejam inundadas pelas bênçãos de Deus e que Ele lhes presenteie com a realização dos seus mais desejados sonhos! Recebam agora o meu grande abraço e os meus votos de que o ano que entra seja muito feliz e próspero para todos!

Tenho aparecido menos pelo blog, eu sei. Continuarei aparecendo, espaçadamente, mas continuarei presente. Considero que eu e o Jean conquistamos todas as metas para os nossos primeiros cinco anos de casamento. Agora, sinto a urgência de viver um 2015 repleto de novidades e é a hora de sonhar novos sonhos e construir os próximos cinco anos. Minha jornada está só começando e, como sempre me diz a minha mãe, é hora de eu ir além!

Fiquem com Deus e lembrem-se do meu lema: Tudo o que você pode sonhar, você pode conseguir!

Big beijo,

Kate