29 de julho de 2014

Sobrevivendo ao primeiro mês de vida do bebê

Olá, meus queridos!

Espero que esteja tudo indo muito bem com todos que estão lendo este post e que Deus esteja no coração e na vida de cada um. Do lado de cá, muita alegria, cansaço, novas responsabilidades!... Estamos eu e Jean convivendo com nosso bebê faz quase 1 mês. É maravilhoso, mas... Quanto trabalho!

Outro dia, descobri que uma ex-colega de empresa, muito querida, também teve uma bebê, nascida 10 dias antes do Gabriel. Em uma troca de e-mails, falando sobre o trabalho de cuidar da bebê no primeiro mês ela escreveu: "Pensei que não ia sobreviver".

De fato, sobreviver é um verbo muito apropriado. Porque, no primeiro mês não se vive, somente sobrevive. Eu não tinha ideia de que é uma coisa tão extenuante cuidar de um bebê. Estou louca para chegar a fase de curtição; porque o Gabriel, por enquanto, só mama, dorme e chora (fora a parte das fraldas, uiiii). Ele ainda não percebe a gente como pais, brinca conosco, essas coisas fofas de bebê, entendem?

Nos primeiros dias, ficamos completamente enlouquecidos com as mamadas da madrugada. Durante 15 dias, eu virei uma zumbi girl: olheiras + pálpebras inchadas. O Jean tinha dores de cabeça por causa das poucas horas de sonho. Agora, continuamos cansados, mas já adaptados. Eu sei que ele vai mamar 3 vezes tarde da noite: em torno das 23:00 h e por volta das 02:00 h e 05:00 h. Minha mãe está aqui neste primeiro mês e o Jean vai tirar férias no segundo mês. Do terceiro ao sexto mês seremos eu, Bruce, Gabriel e Deus durante o dia. Depois disso, volto a trabalhar e o bebê irá para um maternal integral. Esse ainda será nosso próximo desafio: descobrir uma boa escolinha, que não custe uma fortuna e que seja confiável. Aiiiii, a maternidade é um eterno desafio!

Do alto da minha "experiência" de quase um mês (rsss), digo a vocês que ainda não têm filho: o casal precisa ser bem estruturado, principalmente na relação afetiva, para ter um bebê. Muda absolutamente tudo na vida da gente, o tempo individual desaparece e o tempo do casal é transferido para o bebê. Ando pensando em como achar tempo, para mim como mulher, meus cuidados, minhas atividades e interesses e também para nós como casal, e está difícil. Eu e o Jean estamos loucos por uma simples noite em um bom restaurante! Imaginem como será no futuro?! Minha família mora fora e minha sogra mora longe; além disso, não quero fazer da minha sogra uma creche... Então, acho que vão retornar os velhos tempos em que eu e Jean fazíamos várias noites românticas em casa, com uma boa bebida,  uma receitinha caprichada, velas... Acho que vai ser assim. Bom para o blog, que vai ganhar novos posts de noites especiais, rssss!

Sobre a amamentação: os primeiros cinco dias foram doloridos, seios doíam, peito cheio demais, empedrando. Pensei em chamar uma consultora, usei compressa de repolho, gelo... Depois, li na internet e descobri que a melhor solução para leite empedrado é amamentar. Quando o bebê vai amamentando, o peito vai amaciando sozinho. E é a mais pura verdade! Nunca mais usei gelo ou similares. Os melhores amigos do meu peito são as conchas e o creme de lanolina. Creme milagroso! Bem no comecinho, meu bico começou a ferir, mas se curou no primeiro uso do creme! E as conchas foram completamente essenciais para segurar a abundância de leite que "fabrico". Nessa última semana, comecei a dar umas saídas de casa com minha mãe (6 saídas já, que progresso!) e passei a usar mais os absorventes para os seios. Tinha comprado uma caixa e ganhei outra do hospital, ambas da marca York. Notei que ela "estanca" a saída do leite. Meus seios pararam de ficar empedrados, ficaram um pouco menos cheios. Apesar de serem bem mais confortáveis, vou alternar os absorventes com as conchas, pois tenho medo deles secarem meu leite, sei lá. Se alguém tiver experiência no assunto, me dê pitacos, please!

Por fim, temos tido um super problema com sono. Gabriel não quer ficar no berço! Gosta mesmo é de ficar no braço e andando (como diz o Jean, dando rolezinho). Se o colocamos no berço, chora de esgoelar. Já o deixamos chorando 10 minutos direto, para ver se adiantava. Ontem à noite, perdi um tempão com um ritual que funcionou: dei de mamar, pus para arrotar, luz apagada e painel de ursos aceso, Mozart para bebês tocando no celular (tem no youtube vários) e ele no meu braço. Demorou uns 20 a 30 minutos isso. Depois que ele caiu num soninho mais profundo, o pus no berço. Dormiu direto de 22:00 h até 02:00 h e depois só acordou novamente às 06:00 h. Mas, ainda preciso regularizar isso durante o dia também. Fazer dormir andando, nem pensar, pois ele vai engordar e vai ficar difícil demais. A cadeirinha da Fisher Price ajuda um pouco para uma sonequinha. Mas, ficamos sempre preocupados por ele ficar lá várias horas e dar problema na coluna. No desespero de um momento de choro esgoelado, achei um post muito interessante e com dezenas de comentários de mães com o mesmo problema. Segue link:
http://www.macetesdemae.com/2012/07/como-fazer-o-bebe-dormir-sozinho-no.html

Sobre cólicas, ele praticamente não tem. Foram uns três episódios, onde o luftal resolveu. Usei também a polêmica funchicória, uma pitadinha na ponta da chupeta. Foi um calmante imediato, eu e o Jean chamamos de "anestésico". Chupeta é uma coisa que parece não encantá-lo muito e até acho bom, se puder ficar sem chupeta, eu prefiro. Vamos ver no futuro...

Chegando ao final do meu relato, concluo que esse deve ser o primeiro post em que eu falo de um assunto sem nenhuma propriedade. Nenhuma experiência, nenhuma dica testada e comprovada, muito diferente dos meus outros posts sobre receitas, viagens, cuidados de beleza. Sim, amigos, caminho em terreno desconhecido. Eu, mulher tão segura, decidida e antenada, encontro-me perdida, iniciante, desesperada por informações. Mas, ao mesmo tempo, extremamente feliz! Mil vezes me perguntassem se valeu a pena, mil vezes responderia que valeu e vale muito a pena! Freud explica! E quem já viveu o prazer de se tornar mãe também!!!

27 de junho de 2014

Vídeo do Quarto do Gabriel e Fornecedores

Olá, queridos amigos! 

E está no ar o vídeo do quarto do meu lindão!



Já falei para vocês que estou amando fazer vídeos? E que isso deve ser tornar uma constante no blog com receitas e lifestyle? Só preciso convencer o Jean a participar! Tentei de todas as maneiras que ele desse um depoimento para o filho que vai chegar e quem disse que o menino aceitou falar alguma coisa???!!! Super tímido, disse que não fica bem em vídeo. Nada a ver! E o meu pai estava junto, ficou do lado do Jean e eu perdi (temporariamente) a parada. 

Mas, o assunto de hoje é o quarto do Gabriel! A primeira coisa que fiz foi um layout básico para definir a disposição dos móveis. Eu precisava ter um berço, cama da babá com cama auxiliar, que futuramente servirá para o Gabriel e amiguinhos. Era necessário também ter um armário e um criado, além da cadeira de amamentação. A principio pensei em projetar um armário conjugado com trocador, mas uma amiga me demoveu da ideia, alegando que, na experiência dela, o trocador na cômoda foi um móvel um tanto quanto perigoso, pois, seu bebê ficou grande e esperto rápido e, por três ocasiões, ameaçou de cair quando ela ia pegar algo bem próximo para a troca de fraldas. Desisti do trocador e fiz um armário inteiro, com duas portas de correr e indo até o teto, o que me proporcionou prateleiras altas onde a gente guarda coisas que não vai usar com frequência ou coisas novas que ainda não serão usadas em um primeiro momento. Achei muito bom ter esse espaço de estoque!

Para resolver a questão do trocador, comprei um tipo que encaixa no berço, achei bastante interessante. No momento das trocas, trago as coisas de higiene na bandejinha e encaixo o trocador somente quando for usar.

Sobre o criado, ele até caberia embaixo da janela, mas achei que o quarto ia ficar muito cheio e atrapalharia a abrir a cama auxiliar. Então no projeto do armário, usei uma das prateleiras deslizantes como apoio para kit higiene e coisas de amamentar (no vídeo isso fica mais claro). São os desafios de projeto para espaços pequenos.

 Mas, deu certo e ficou assim:



Segue também projeto do armário com dimensões para quem precisar de uma inspiração. O armário tem portas de correr. Como podem perceber, já fiz um armário definitivo, para acompanhar o crescimento do Gabriel (e também para valorizar o imóvel em uma revenda futura). Nada de armário baixo ou aqueles infantis que as lojas vendem; fiz um indo até o teto. Notem que no espaço das araras, a altura foi 1,10 m, sem prateleiras que eu precisasse tirar depois e que deixariam marcas no armário. As roupas de bebê são pequenas, mas no futuro, quando precisar colocar roupas maiores, já teremos a altura necessária. As sapateiras são deslizantes, um item prático que recomendo a qualquer projeto de armário. A altura delas é em torno de 15 cm, cabe um sapato de adulto. Mas, como expliquei acima, somente uma delas será usada como sapateira a curto prazo e a outra será meu apoio de objetos de higiene e amamentação. O nicho embaixo das sapateiras é destinado a brinquedos e, em um primeiro momento, o carrinho dobrado (essas marcas tipo Burigotto e Galzerano não cabem aí, tem de ser esses carrinhos mais modernos, vou comprar um que chama Lenox Kiddo Helios). Na lateral esquerda, gavetões de mais de 80 cm, enormes, cabem uma infinidade de coisas. Ficou realmente um armário muito funcional.



Definido o layout e o armário, passamos à decoração. O tema escolhido foi urso príncipe. E a loja onde fizemos a maioria das compras, móveis e decoração, foi o Atelier Rita Hosken, uma loja linda, completa, onde toda a decoração (quadros, painéis, kit berço) é criada e produzida pela empresa.

Tudo no mercado de bebê, enxoval e etc é muito caro, acho que até super faturado. Dentre essa "indústria" que se tornou o comércio de itens para bebês, achei o preço da Rita Hosken bastante justo, considerando a alta qualidade dos produtos e a diferenciação. O atendimento deles é perfeito, tanto da loja, quanto da equipe de produção/montagem. O cumprimento de prazos é exemplar. Enfim, uma ótima experiência de compra.

Felizmente, não tive dor de cabeça com nenhum fornecedor. Também, só compro em sites seguros, de preferência com pagseguro (para os online) ou moip (usado pelas lojinhas da Elo7) e costumo checar empresas no Reclame aqui. Se uma empresa tem muitas reclamações não atendidas, não compro.

Segue então o vídeo do quarto do meu princepezinho:


E, conforme prometido no vídeo, segue link para os fornecedores de todos os itens do quarto:

Fornecedores

Berço

Rita Hosken














Cama Babá com cama auxiliar 

Rita Hosken

                        Armário

                       Davidson - (31) 9134-7188


Painel Ursos com iluminação interna em LED

Rita Hosken

Quadros Coroas Douradas

Fuxicando arte em tecido

http://www.elo7.com.br/coroas-douradas/dp/35E804
Moldura provençal + espelho
Fuxicando arte em tecido

http://www.elo7.com.br/moldura-retangular-provencal/dp/217B90

Miniatura ursinho + trono
Armazém do lar miniaturas

Ursinho - http://www.elo7.com.br/ursinho-marfim-coroa/dp/3C0ED1
Trono - http://www.elo7.com.br/trono-da-realeza-dourado/dp/273F2D


Quadro Divino Espírito Santo

Rita Hosken
Quadro Brasão

Rita Hosken
Quadro Ursinho

Rita Hosken
Quadro Anjinho

Rita Hosken
Lustre

             Potinho de Mel


Ursinhos


Bichos da Arca
Marcelo
 (31) 3434-7184/8869-7184
bichosdaarca@yahoo.com.br

Obs.: a naninha com o nome Gabriel foi ganhada e não sei quem é o fornecedor
Tinta

Leroy Merlin

Suvinil Toque de Seda


Réguas divisoras de parede

Rita Hosken

Papel de parede



Cortina de voil com blackout e Bastão

 Kit Berço

Loja Era uma vez
 Kit cama babá

Loja Era uma vez
Jogo Lençol

Lojas Baby

Trocador de Berço



 Caixas organizadoras

Atelie Azul Canella 



Garrafinha térmica pequena

Tokstok





16 de junho de 2014

Bons fornecedores para personalizar o enxoval do seu bebê

Fiz alguns itens personalizados para o quarto e para o enxoval do Gabriel. Alguns fornecedores se destacaram pelo excelente atendimento, presteza na entrega e retorno rápido aos contatos feitos durante o processo de produção. Indico satisfeita os fornecedores abaixo:


Atelie Azul Canella - http://www.elo7.com.br/atelieazulcanella

Fiz duas caixas que para mim serão multiuso: a intenção inicial é usá-las para guardar as lembrancinhas que darei para os nossos visitantes. Elas são perfeitas também para acomodar docinhos. Depois, o uso delas será no dia a dia, dentro do armário do Gabs, guardando objetos pessoais. Quem as fez foi a Adriana, do Azul Canella. Trabalhar com a Adriana foi muito satisfatório, escolhemos juntas o tecido, o tom da fita e ela propôs o modelo de brasão que adorei.




Brasão com acabamento em pérolas, muito delicado e ao mesmo tempo, ficou masculino.


A caixa vem com divisórias, mas pedi para ela fazê-las soltas, assim a caixa fica realmente multiuso.


Aqui, uma mostra de como elas vão ser utilizadas no armário do meu bebezão! Lindas e práticas, não?


Loja Olá Baby - http://www.olababy.com.br/


Outro fornecedor que amei foi a Loja Olá Baby. As meninas não sabem como dar mais atenção, umas fofas, sempre em contato via whatsap, informando cada novo passo do projeto e da entrega. Com elas fiz esses kits de sabonete líquido, álcool em gel e home spray. Arrependi de não ter encomendado mais álcool em gel para colocar em todos os banheiros e no quarto dele. Tudo foi personalizado de acordo com meu gosto, as cores, o urso com coroa, tag com o nome dele. Uma fofura!





Foi também com a Olá Baby que comprei essas mini chandon para presentear os avós do Gabriel. Um nascimento merece um brinde especial, certo, queridos?




Loja Luly Baby - http://www.elo7.com.br/lulybaby

Uma compra super útil foram os saquinhos para colocar as roupinhas para a maternidade, em tule permitindo visibilidade de cada troca de roupa e também permitindo que as peças "respirem". O saco de roupa suja vai ser super útil e é impermeável, assim, roupas molhadas de xixi ou fraldinhas com resquícios de leite não irão sujar roupas limpas que estejam na bolsa do bebê. São itens que serão muito importantes, não somente na maternidade, mas no dia a dia quando formos sair com o Gabriel.


Rita Bordados - https://www.facebook.com/ritadossantos.guimaraes

Quem fez todo o contato com esta fornecedora foi a minha irmã, pois ela e minha mãe me deram todas as fraldinhas de ombro e boca e toalhas do Gabriel. Minha irmã me mandou os modelos por e-mail e defini cores e brasão. A entrega foi super rápida e o preço muito bom. Recomendo.



10 de junho de 2014

Minha Gravidez - 2º e 3º trimestres

Oiiiiii, queridos! Continuando nossos posts especiais sobre gravidez, venho falar sobre o segundo e terceiro trimestres da minha gravidez. Para quem não viu a primeira parte, tem este post intitulado: Minha Gravidez - cuidados básicos. Neste primeiro post eu falei sobre muita coisa que eu estava vivendo e descobrindo. O tempo passou, estou na reta final, e vim contar mais coisinhas que aconteceram comigo, novos aprendizados e algumas coisas que estou programando para o pós-nascimento do meu bebê amado! Mega post gigante, como sempre. Vamos lá?!




A alegria dos chutes e mexidas!


No post anterior sobre a minha gravidez, eu terminei falando sobre os chutinhos que o Gabriel estava começando a dar. Coisa mais maravilhosa e tranquilizadora é isso, queridas! Antes da existência dos chutinhos, eu ficava ansiosa aguardando os ultrassons porque eu não sabia o que estava acontecendo aqui dentro da minha barriga e ficar tipo 1 mês sem saber se o seu bebê está bem, é um mistério. Por isso, algumas mães compram um aparelhinho no qual se ouve as batidas do coração do bebê em casa. Eu até cogitei a compra, mas o Jean me tirou da cabeça, dizendo que, se algum dia o aparelhinho desse um bug e eu não ouvisse o coração, eu ia ficar louca e deixá-lo louco, pedindo para ir para o hospital na hora (fato!). E depois, vi que algumas dessas mães que compram o aparelho acabam o deixando de lado quando os chutinhos começam. 

Então, sobre chutes: os bebês costumam chutar várias vezes por dia, e a intensidade e o tempo de duração dos chutes vai aumentando com o passar das semanas. Tem hora que tomo cada paulada do meu filho, parece luta livre, boxe, MMA, rssss. No geral, os bebês chutam logo pela manhã, quando a mãe acorda, depois das refeições e à noite (horário que acho que eles chutam mais). Noto que o Gabriel chuta menos nos dias em que estou mais agitada, andando muito, com vários compromissos. à noite, quando eu acalmo e fico na cama ou no sofá, é o momento dos maiores chutes e de maior duração. Quando o bebê estiver mais atento a sons, um som muito alto irá agitá-lo. Outro dia fui a uma festa com o Jean e estava muito gostoso, o Jean particularmente queria ficar muito mais, pois estavam todos os seus colegas de trabalho. Porém, tinha banda na festa e o som era muito alto. Fui percebendo que já estava dando meia noite e o Gabriel chutava sem parar, há umas duas horas, pelo menos. Ou seja, o som alto não o estava deixando dormir! Pobre do meu bebê. Nem precisa dizer que a festa do papai acabou e que eu o obriguei a encerrar a farra para irmos embora, não é? Após as 28 semanas, comecei a sentir não somente os chutes, mas também as mexidas, e também passamos a ver os movimentos bem claramente. Em alguns momentos a barriga treme, outras vezes, ondas são vistas e também existem os momentos em que ele se concentra mais de um lado da barriga, como na foto acima.

No decorrer das semanas, fica tudo mais apertado lá dentro e as mexidas são mais fortes, diria até mais estranhas, uma sensação esquisita de alguém se revirando dentro da sua barriga e mexidas em lugares múltiplos (braço lá embaixo, joelho na região do umbigo, pé na lateral da barriga). É intenso e, confesso, bem estranho às vezes... Rsss. Muitas vezes eu mostro para o Jean um ponto bem alto no meu corpo, ou bem na lateral e digo: "olha onde que tem menino, amor!". O útero no final fica logo abaixo dos seios e o bebê se espalha mesmo!!!

Outra coisa importantíssima sobre chutes é que eles vão te indicar se está tudo bem ou se há algo errado e que te indique que é hora de procurar um pronto socorro. Leiam o texto abaixo para entender a importância de observar os chutes do bebê:

A movimentação tem relação com a oxigenação do bebê. A médica ginecologista e obstetra Dra. Denise Gomes, Diretora Médica da Plena Clínica, conta que como não há ar dentro do útero, o bebê recebe o  oxigênio de que necessita através do sangue materno que lhe é ofertado via placenta. "Quando lhe falta oxigênio, ele vai parando de se movimentar, vai perdendo suas funções básicas e pode chegar ao óbito intra-uterino".


Se você notar que o seu bebê está há muito tempo sem mexer, coma alguma coisa e se deite, de barriga para cima ou virada para o lado esquerdo (eu prefiro de barriga para cima). Colocar a mão sobre a barriga, acariciar ou até dar umas leves cutucadinhas também é bom. Se o bebê chutar, sete vezes ou mais no espaço de tempo de uma hora, está tudo ok. Se após duas horas, o bebê não chutar, vá para o hospital imediatamente. Não sou médica, mas estou relatando o que aprendi nas minhas pesquisas. Além disso, sempre que como e deito, meu bebê se manifesta e, nas poucas vezes que demorou, o Jean deu umas cutucadinhas e logo depois ele respondeu com chutinhos tranquilizadores!

Mais ultrassons importantes

Já falei no post anterior sobre os ultrassons necessário para verificar o bom andamento da gravidez e formação do bebê. Depois daqueles mostrados, o morfológico e o doppler, e também fiz um ultra obstétrico básico para ver o bem estar do bebê (gosto de fazer um ultra por mês, não gosto de ficar mais tempo do que isso sem verificar meu bebê, peso, etc...)

Morfológico 2º trimestre - Quando fizemos 22 semanas, foi a vez do ultra morfológico. Foi um ultra para curtir! Na TN e no ultra do sexo, os médicos já nos deixaram bem tranquilos em relação à formação do Gabriel, então não fomos com nenhum temor para o exame. Pedimos para o hospital gravar tudo e aproveitamos o momento. É um exame demorado, entre 20 e 30 minutos e o médico gerou 80 imagens para serem impressas. Ele checou todos os órgãos, as veias, o peso, o líquido amniótico, a placenta, etc. Esse foi um ultra abdominal. Depois ele fez um ultra transvaginal (pedido médico separado do morfológico) para ver o comprimento do colo do útero. Isso é extremamente importante, porque se o colo estiver curto, pode indicar parto prematuro. Felizmente, meu colo estava super longo! Abaixo, um trechinho do meu ultra, filmado pelo Jean; mostrando o coração do meu principezinho batendo forte como sempre! Deus abençoe forever!!!!!!!!!

video


Levamos o dvd para casa e o Jean ficou mostrando para todos na família dele. É gostoso ver a empolgação do maridão! E é lindo ver o Gabriel mexendo muito na tv.

Doppler - Eu nem sabia da existência do doppler até a médica pedir. É um exame colorido, que mostra como está o fluxo de sangue para o bebê, acredito que a nutrição da placenta também. Fiz um desses com 28 semanas e vou fazer outro com 38 semanas, que acredito, será o último ultrassom.

E mais sintomas (chatinhos)!

No meu post anterior sobre gravidez, eu dei uma lista de sintomas que tive, no primeiro trimeste e metade do segundo. Depois disso, surgiram alguns novos, rsss. Para quem acha que gravidez é um mar de rosas, tudo lindo, tudo um sonho, apresento mais um pouco da realidade que poucos te contarão:

Azia - Nossa, quase estava morrendo com a azia. Foi piorando, piorando até que me rendi e comprei o remédio que a médica passou, Omeprazol, para tomar 1 comprimido em jejum antes do café da manhã. Cantem os anjos! Nunca mais tive uma mínima queimação! Converse com o seu médico para ver qual é o medicamento correto para o seu caso.

Inchaço - Pois é, as pernas começam a inchar. Comigo não é sempre, por isso não tenho usado as meias todos os dias, somente quando vou passar muitas horas sentada. Esqueci de colocar na última viagem para São Paulo e passei um super aperto de madrugada, quando acordei com a perna inchada, além de um nódulo acinzentado no pé direito e a mão direita inchada. Rezei para Deus não me deixar morrer (medo de trombose venosa) e coloquei imediatamente pernas e mãos para cima até melhorar. No outro dia, comprei mais um par de meias.


Pelos mais abundantes - Sim, os hormônios alteram isso também, minha depilação não dura nadaaaaa, maior dinheiro perdido!

Axilas escuras e círculos escuros nos olhos - Nossa, minhas axilas ficaram muito escuras! Sorte que dizem que é normal e passa após o final da gravidez. Tenho notado meus olhos mais escuros, principalmente na pálpebra e um pouco abaixo na olheira também. Aí, é só corretivo mesmo!

Cansaço ao menor esforço - No segundo trimestre até melhora bem e a grávida tem bastante energia. Hora de correr atrás da decoração do quarto e do enxoval. Do 6º para o 7º, vai-se percebendo o cansaço mais frequente, qualquer caminhadinha cansa, subir lugares levemente íngremes então, destrói a gente!

Dor logo abaixo dos seios - O útero cresce muito e chega até embaixo dos seios. Tenho sentido uma ardência, um dolorido nesse ponto de encontro, que não resolve com uma postura melhor, nem com sutiã reforçado. A imagem abaixo mostra como o bebê vem alto na barriga da gente. Quando me olho sem blusa no espelho, consigo ver certinho a curva do útero passando bem abaixo dos seios.



Dores nas costas - Graças a Deus, eu faço pilates, o que ameniza muito! E estou procurando sentar corretamente, o que resolve demais. Dor nas costas é um dos sintomas mais presentes na gravidez, não tem muita escapatória! Também é normal se doer em uma das nádegas, ok? Mais para 33 semanas, dormi mal por uns 3 dias seguidos, acordando com dor nas costas na madrugadas. Solucionei colocando 3 travesseiros atrás das costas para dormir do lado esquerdo. Fico bem travada na cama, com 3 travesseiros atrás e um entre as pernas. Mas, resolveu e voltei a dormir a noite toda.

Sensibilidade ou dor no umbigo - Acho este sintoma super estranho. Acontece mais agora no 3º trimestre. Não dá para explicar direito, mas é uma sensação forte, não chega a ser dor, mas tipo um endurecimento. Pesquisei e advinhem o que achei? Que é normal, rsss, como sempre! São os ligamentos dessa região da barriga se extendendo.

Peso na barriga - De vez em quando dá em mim um peso estranho. Minha sogra falou para eu comprar uma faixa que se usa abaixo da barriga. Mas, como foram poucas ocorrências e minha barriga não ficou gigantesca, achei bobagem gastar dinheiro faltando pouco mais de 1 mês para o fim da gravidez. Mas, existem essas faixas, vendem na farmácia ou em lojas especializadas e custam entre R$55,00 e R$80,00.

Mais fome no 3º trimestre - Li que, a partir das 32 semanas, a mãe engorda 500 g por semana, sendo que metade disso vai para o bebê. Realmente, passei a sentir mais fome exatamente nessa semana. A dica do babycenter é tapear a fome com copos de leite, o que é muito bom, pois precisamos de um reforço de cálico no 3º trimestre, para fortalecer ossos e dentes do bebê.

Um xixi que escapa (essa ninguém te conta) - Pois é, só fui descobrir isso durante a gravidez e ao ver que outras mães do fórum babycenter estavam passando pela mesma coisa. Ás vezes, quando você tosse ou espirra, saem algumas gotinhas de xixi na sua calcinha, sem que você tenha controle sobre isso. Comigo aconteceram umas quatro vezes, sempre quando eu estava em casa, e foram poucas gotas. Mas, já li relatos de meninas que acordaram molhadas de xixi ou fizeram no shopping. Que dureza!!!

Lerdinha, lerdinha - Eu já tinha lido que grávida é um pouco mais esquecida, desastrada e estou comprovando isso no meu dia a dia. Cadê a garota espertona, que faz um monte de coisas no dia? Sumiu temporariamente. Ando super lerda, esqueço as coisas, não dou conta de fazer tudo, postergo, ando desastrada...Ufa... Saudades da antiga Kate!

E agora, vou falar de um sintoma que, de tão importante, merece um tópico exclusivo:

Contrações de treinamento (What???!!!)

Preciso dar uma atenção especial no post para esse sintoma que, a meu ver, é BIZARRO!!! Quando uma colega de trabalho de São Paulo, também grávida e com 3 meses a mais do que eu, me contou que estava tendo contrações aos 7 meses de gravidez, eu pensei: "Esta menina está de brincadeira comigo..."

Mas, ao final das 29 semanas, comecei a sentir umas mudanças na barriga, que às vezes ficava endurecida em alguns pontos. Nessa semana também senti claramente as contrações. Me assustei demais. Com o passar do tempo, essas contrações passaram a ser diárias e surgirem como um endurecimento na barriga, seguido de uma pontada descendente até a vagina. Suuuuper estranho e assustador. Fui pesquisar melhor e li vários textos a respeito de contrações de treinamento ou contrações de Braxton-Hicks. Confesso que li muito mas ainda não entendo bem do assunto. Só sei que são normais, é o corpo treinando para o parto e não devem ocorrer muitas durante um curto espaço de tempo. Se ocorrerem mais de três no intervalo de 1 hora e ritmadas, é melhor ir ao hospital, pois pode ser parto prematuro.

Com 32 semanas, fiquei cheia de neuras porque não sabia diferenciar o que eram as mexidas do Gabriel, com umas sensações chatas que ocorrem no umbigo (também normais) e as tais contrações de treinamento. Acabei indo ao pronto socorro e, enquanto a médica não tocou o meu colo e falou que estava fechado, eu não me tranquilizei. A médica falou que é quase um padrão de comportamento os visitas das grávidas ao pronto socorro quando estão com 32 semanas. São essas mudanças no corpo que nos assustam, certamente. Depois disso, aceitei as contrações e me acostumei com as mesmas. Mas, que continuo achando tudo isso de ter contração aos 7, 8 meses de gravidez uma coisa pirante, ahhh, isso eu acho!

Solução, não tem muita, mas ajuda um pouco fazer xixi quando as contrações começam, se está de pé ou sentado deitar ou se está deitado, levantar; ou seja, mudar de posição. Esses pequenos gestos costumam parar as contrações.

Gordinha, pode ser; baleia, nunca!



Tudo ia muito bem com meu peso e eu ia ganhando 800 g, 1,2 Kg por mês... Até que um belo dia, na consulta de pré-natal, a médica constatou que, em um intervalo de 6 semanas, eu ganhei 4,8 kg! Começou a chatice de ter de regrar comida! Comer porções menores, cortar coisas calóricas, tudo o que eu não queria! 

Eu já me acostumei a ter um bom metabolismo e comer de tudo sem engordar muito. Adoro bater um pratão de macarrão, bem estilo "prato de pedreiro", fazendo aquela montanha de macarrão!... Gosto de doces, e muito. Amo carnes, batata, pizza, hamburguer, café da manhã caprichado, copo enorme de vitamina de frutas. E tive de reprogramar todo o meu cardápio. Tristeza total.

O interessante é que no fórum do babycenter, até os 4 primeiros meses, sempre tinha uma mãezinha que criava um post do tipo: "x semanas, quantos quilos?" E aí vinham aquelas meninas, que enjoaram o primeiro trimestre inteiro, falando que tinham engordado, 1, 2 kg no total, enquanto eu já tinha colocado 5 para dentro. Bem, eu nem comentava lá, porque, no mínimo, elas iam pensa: "nossa, que baleia orca é essa aqui no fórum?". Mas, como tudo muda na vida, depois dos 5 meses, todas passaram a engordar muito, e aos 6 meses, os novos posts do fórum traziam relatos de meninas que engordaram 6, 9, 11 kg, sendo a maior parte do peso adquirida de uma hora para a outra, do 5º para o 6º mês. Finalmente, eu não estava só!

Eu não cortei 100% das coisas gostosas. Mas, como tudo em menor quantidade agora, parei de fazer meus deliciosos espaguetes, dei good bye para os bolos, chocolates e doces em geral, e passei a fazer uns filezinhos de frango que são uma delícia:

Filé de frango sadia + tempero com pouquíssimo sódio, mas extremamente delicioso + shoyo = filé frito em quase nada de óleo na frigideira antiaderente



Outra idéia boa é grelhar um salmão, temperando só com limão e tempero com pouco sódio


Patinho, purê de batata e rúcula


Novamente filé de frango, desta vez acompanhado por arroz com legumes cozidos e cortados bem pequenos


Duas espigas de milho cozidas foram o meu jantar em uma noite dessas...



No restaurante self-service também dá para escolher alimentos mais leves

 

Outras substituições que fiz para comer mais light no dia a dia foram:

Passei a ler rótulos de iogurtes e optei pelo iogurte natural desnatado e pelo Fit Zero, com poucas calorias e muito cálcio



De olho nos rótulos: Molico - baixa caloria e metade do cálcio necessário por dia (precisamos de 1000 mg e só essa garrafinha tem 500 mg)



Troquei o polenguinho normal pelo light


Substituí a granola (que tem muitos ingredientes excelentes, mas também é bem calórica) por aveia para comer com frutas


Passei a comer muito filé de peito de frango à noite.


O resultado, não poderia ser melhor! Após um mês nesse ritmo de comer leve e restringir calorias, eu perdi 1 kg do peso anterior e o Gabriel ganhou 790 kg (o que nos faz concluir que perdi mais de 1 kg de gordura extra). Fiquei com um corpo melhor e bem fit (até minha mãe que tooooorra minha paciência por causa de peso, achou que fiquei com um corpo ótimo) e o meu bebê ganhou um excelente peso para o período. Certos sacrifícios valem a pena!!!


As Vacinas e nova rodada de exames

Pois é, as vacinas...Que tristeza tomar aquelas agulhadas no braço, principalmente quando se tem medo de agulhas como eu... Mas, é por uma causa que vale mais do que a pena: a saúde do seu filho! São três as vacinas importantes a serem tomadas durante a gravidez: Trípice (coqueluche, difteria e tétano), anti hepatite B (3 doses) e vacina da gripe. Até liguei para um posto de saúde para saber se eles tinham as duas primeiras, mas uma eles não tinham e a outra o governo só dava para crianças, foi o que me informaram. Tomei as vacinas em um clínica e são bem caras, já aviso. O médico deverá passar o pedido das vacinas e minha médica passou para mim por volta do 6º mês.

Nos cursos de gestantes, eles explicam sobre as vacinas que a mãe precisa tomar e dão uma geral sobre as vacinas que o bebê precisa tomar nos dois primeiros anos de vida. São muuuuuuitas! Nos dois primeiros meses, quando a imunidade do bebê é mais baixa, acredito que vamos usar clínicas particulares, com o serviço de aplicação em casa, para evitar deslocamentos com o Gabriel. Mas, depois desse tempo, sinceramente, vou procurar um posto de saúde, pois acho que tantas vacinas devem pesar muito no orçamento e, se o governo oferece, porque não utilizar? Pagamos imposto para isso, não?

Fiz outras duas rodadas de exames laboratoriais no 2º e no 3º tri, basicamente sangue e urina, toxoplasmose, rubéola, HIV, os exames padrão. De diferente, fiz dois exames:

Curva glicêmica - é o da foto abaixo, com a garrafinha. Exame chato até o extremo. Você chega em jejum e faz xixi no laboratório. Depois vai tomando o tal líquido ruizinho até da garrafinha (super doce) e faz xixi com 1 hora e com 2 horas. Na primeira hora senti uma fraqueza enorme. Esse exame é para detectar se você está com diabetes gestacional. No meu caso, tudo ok.

 Streptococo - Esse exame é meio constrangedor. Você deve chegar ao laboratório sem ter feito sua higiene íntima por algumas horas. A técnica do laboratório vai colher material da sua vagina e do seu ânus com cotonetes. Mas, o exame é suuuuuuper importante. Porque, se você tiver o strepto (no meu caso deu positivo nos dois), na hora do parto o médico tem de te dar um antibiótico. Caso seu bebê tenha contato com o strepto no parto sem o antibiótico, pode ter problemas graves, como cegueira e morte. Peça o exame para seu médico!!!



Cuidados de beleza e auto estima na gravidez

No post anterior sobre cuidados na gravidez, postei os produtos que a dermatologista havia passado e o que era permitido ou não na gravidez, em termos de cosméticos. 

Mas, tenho de contar algo para vocês: no primeiro trimestre eu não me achava nem um pouco bonita (sempre me olhava no espelho, achando que não tinha nenhuma beleza ali e olhava fotos antigas, tentando achar onde havia me perdido...) e no segundo trimestre, não tinha nenhum interesse em me produzir. Fiquei meses sem fazer as unhas (é só olhar todas as fotos postadas acima, a maioria sem unhas feitas até 27 semanas). 

Com 27 semanas (foto abaixo com blusa azul marinho e saia preta), fui ao aniversário da minha melhor amiga e comecei a me produzir mais, a me achar mais bonita nas fotos. A partir de 28 semanas, voltei a fazer as unhas, já estava fazendo hidratação caseira no cabelo, que começou a dar retorno e o cabelo ficou mais  bonito. Desabrochei novamente como mulher e passei a gostar do que via no espelho.




Freud certamente explica porque andei me sentindo feia em boa parte desse período, mas atribuo aos hormônios da gravidez e também ao meu desinteresse em me arrumar. No primeiro trimestre, a questão do cansaço e falta de energia contribuiram para isso; no segundo trimestre, tive um excesso de viagens aliado a uma agenda super cheia na vida pessoal, organizando apartamento, quarto do bebê e enxoval. No final do 2º tri e início do 3º, com uma rotina mais tranquila e tudo praticamente resolvido, pude voltar a pensar mais em mim e cuidar melhor de mim...

As estressantes viagens à trabalho

Eu sou uma pessoa responsável no trabalho, cumpridora dos meus deveres, mas preciso confessar que achava insuportáveis as inúmeras viagens que tive de fazer durante 2/3 da minha gravidez. Tudo o que eu queria era ter tido uma gravidez bem tranquila, no sentido de ficar mais quieta, dormir em horários regulares, pegar sol e me alimentar com regra e rotina. Nada disso aconteceu nos primeiros 6 meses! Toda semana estava eu dentro de um avião, indo para São Paulo ou Campinas! Levantar de madrugada, turbulência, comer mal (mesmo a empresa pagando tudo, a correria dos horários faz com que algumas refeições sejam fora do horário ou lanchinhos nem um pouco saudáveis de aeroporto), o ritmo intenso de atividades durante uma viagem, tudo isso pesava contra na minha balança de equilíbrio vida pessoal x profissional.

Condição climática menos de duas horas antes de eu pegar um vôo SP-BH


Alívio mesmo era chegar em casa!!!


Mas, o fato é que eu cumpri todos os meus compromissos, com seriedade, até quando eu aguentei. Uma grávida pode pegar avião até os 7 meses, sem problemas com a companhia aérea. Depois disso, só assinando um termo de responsabilidade e levando uma autorização do médico. Eu fui até perto do limite. No meu último vôo, o comissário chegou a me parar na porta do avião para perguntar de quantas semanas eu estava.

Eu conversei com os meus chefes e pedi para cancelar minhas duas últimas viagens, sendo que uma delas extrapolava o prazo liberado pela companhia aérea. Expliquei que a médica falou que estava na hora de parar e que estava muito sacrificante para mim. Eles entenderam. E foi o ideal, porque na última vez que eu fui, já comecei a inchar e fiquei bem assustada. No final do 6º mês, meu diretor me colocou para trabalhar home-office, o que deu um super upgrade na minha qualidade de vida. Não que eu trabalhe menos, porque o meu chefe espanhol é super exigente e tenho tarefas diárias a cumprir e compartilhamento de agendas, etc. Mas, os meus deslocamentos caíram drasticamente e saio somente para algumas reuniões. Melhorou demais e consigo me alimentar corretamente, tomar remédios na hora certa e me deitar por alguns minutos quando as cólicas de treinamento apertam!

A delícia de decorar o quarto e fazer o Enxoval

A maior delícia de todas da gravidez é o ultrassom. Nada supera ver seu filho movimentando e tudo indo bem. Em seguida no ranking estão aprontar o quartinho e fazer o enxoval. Que delícia absoluta é se envolver com isso!

Eu digo: sou uma mulher antecipada, graças a Deus! Com três meses ou um pouco mais de tempo de gravidez, fomos olhar o quarto no Atelier Rita Hosken. E fiz o projeto e encomendei o armário. Pode parecer cedo, mas não é. Essas coisas demandam um tempo de produção em torno de 60 dias. E tudo começou a ser montado por volta do 6º mês. Imagina deixar para mais tarde? Quando se está pesada e sem energia? Sinceramente, o meu timing é o certo para quem não quer se estressar e realmente curtir o processo. 

Meus fornecedores foram todos incríveis. Ninguém furou o prazo, tudo correu muito bem e com grande profissionalismo. O quarto vai ganhar um post e um vídeo especial para ele e, em breve, estará no ar.

Sobre o enxoval, ficou também do jeito que eu queria e, para quem não viu, temos dois posts e um vídeo aqui no blog:

Post com detalhes sobre o enxoval:


Caso queira ir direto para o vídeo, o caminho é aqui:


Tem também o post: Montando um enxoval enxuto para o seu bebê

Os livros da minha gravidez

Sempre que você fica grávida, as pessoas logo falam que vão te dar um livro. Ainda tenho dois que vou ganhar de uma amiga e da minha professora de francês. Bem, acho que estarei com um bom estoque de livros de maternidade com mais esses dois prometidos.

Durante esses meses, andei lendo:

Das minhas cunhadas, recebi um específico sobre amamentação e uma bíblia sobre a vida do bebê no primeiro ano. Por enquanto, li o de amamentação e o comecinho de "O bebê".



A Bíblia Infantil eu comprei. Li duas vezes para o Gabriel, gostaria de ler mais. Dizem que é muito bom ler para o bebê quando ainda está na barriga.


Este aqui ganhei de uma amiga e estou adorando, ando sempre lendo uns trechos. Quero ser fiel seguidora da encantadora de bebês e sua metodologia.



E as finanças, como vão?

Essa é uma parte delicada... Muito delicada e essencial: Dinheiro! Muito amor é o que sempre precisamos ter, mas para quase todo o resto, é preciso dinheiro! Eu não aconselho a nenhum casal a iniciar as tentativas de conceber um filho sem ter uma reserva financeira, mesmo que discreta. Pois se gasta muuuuito dinheiro. Digo que o mundo do bebê virou uma indústria, assim como as festas de 15 anos e os casamentos. Tudo parece ser super faturado! E se o casal não está preparado, a situação vai ficar bastante difícil!

Eu e o Jean não tínhamos uma grande reserva, até porque tínhamos acabado de comprar um apartamento e ido para a Europa; mas tínhamos um pouco e fomos alimentando nossa poupança mês a mês e fizemos um fluxo de despesas super planejado e com duração durante toda a gestação, de modo que, quando o bebê nascesse, não teríamos nenhuma conta pendente.

Logo que descobri a gravidez, fiz uma previsão de despesas com o quarto do bebê. Eu e o Jean montamos uma planilha mês a mês, que basicamente tinha as receitas, com todas as entradas de sobras mensais e as despesas embaixo. Inserimos várias fórmulas para atualizar o fluxo mensalmente. E ainda colocamos sub-tabelas com tudo o que estávamos comprando e o que estava previsto comprar. Parece complexo, mas é bastante simples. Segue o modelo da nossa planilha:


Basicamente, os gastos principais durante a gestação serão:
  • Quarto bebê;
  • Enxoval roupas, cama, banho;
  • Acessórios para bebê (banheira, carrinho, bebê conforto, etc)
  • Produtos de farmácia para o bebê;
  • Vitaminas para a mãe;
  • Cosméticos específicos e alguns acessórios para a mãe (creme anti-estrias, concha para seios, sutiãs e calcinhas específicos, etc);
  • Despesas médicas não cobertas pelo plano (consultas particulares e alguns exames);
  • Vacinas que não estão disponíveis no posto de saúde;
  • Taxa de disponibilidade do médico (caso você queira que o seu médico faça seu parto, a grande maioria deles cobra);
  • Chá de bebê, lembrancinhas maternidade e/ou recepção em casa;
  • Reserva financeira para depois que o bebê nascer.

Ser organizado, saber o que quer e fazer orçamentos é primordial para conseguir fazer tudo sem decretar falência. E sabendo de antemão que o orçamento vai sempre extrapolar; no caso do quarto do Gabriel, eu fiz uma planilha de estimativa de gastos com uma coluna de valores mínimos e máximos. O resultado é que extrapolei o orçamento máximo em 20%, mas, foram decisões que eu tomei dentro da nossa capacidade financeira e ciente de cada gasto a mais.

Planejar antecipadamente, este é o segredo!

Cursos de gestantes - valem muito a pena!



Uma das melhores coisas que fizemos juntos nesta gravidez foram os cursos de gestantes, também chamados casal grávido. Além de todos os conhecimentos adquiridos, é um momento para o pai se integrar mais  ao universo do bebê que vai chegar, pois ele terá um papel primordial no processo. Gente, não existe mais esse negócio que só a mãe fica se matando, isso é coisa de séculos que já se foram; o pai tem de "pegar no pesado" tanto quanto a mãe e quanto antes ele se conscientizar e aprender o que fazer, melhor!

Esse cursos são sempre gratuitos, acontecem mensalmente, e centenas de casais participam, de modo que é sempre em um grande auditório. As palestras são ótimas, os vídeos mostram passo a passo de tópicos mais importantes, como vacinação, troca de fraldas, banho, preparo do seio e amamentação. Como dura algumas horas, eles servem lanches caprichados para os presentes e ainda dão brindes legais. E tem também os sorteios, que são ótimos!

Eu e o Jean fizemos dois cursos: o primeiro foi da Araujo, a maior rede de farmácias de Belo Horizonte. E o segundo foi o do Hospital Mater Dei, onde estamos fazendo todos os nossos ultrassons e onde eu costumo me consultar quando preciso de algum atendimento de urgência. O da Araujo acontece aos sábados pela manhã e o do Mater Dei à quartas à noite.

O do Mater Dei foi espetacular!!! Digo mais: Sensacional! É um curso técnico, com duração de dois dias e com 5 palestras (que eles chamam de aulas) todas dadas por médicos! Super profissional, sem fazer propaganda e focado nas explicações técnicas e em perguntas. E as palestras bombam de perguntas, até eu fiz!!!

As palestras são as seguintes:

  • A Gravidez e o parto no hospital Mater Dei - aula dada por uma ginecologista obstetra, fala tudo sobre os sintomas da gravidez até chegar ao parto;
  • A vida do bebê no útero materno - aula dada pelo coordenador da obstetrícia, fala tudo desde a concepção, as fases da formação e crescimento do bebê e os exames e ultras importantes durante a gestação;
  • Anestesia: o momento do parto - aula dada por um médico anestesista, contando  tuuuuudo o que você sempre quis saber sobre anestesia;
  • Cuidados com o recém nascido - aula dada pelo coordenador da pediatria, super completa em todos os cuidados com o bebê, fotos de cada procedimento que eles fazem a partir da hora em que tiram o bebê da barriga, exames, cuidados com higiene depois que leva o bebê para casa, etc;
  • Aleitamento materno - aula dada por uma pediatra, explicado em detalhes como amamentar e cuidados com os seios.
Todas as palestras com inúmeros slides, muitasssss fotos, explicações passo a passo. Depois eles ainda dão para as participantes um livrinho com todas as palestras resumidas, tipo um super manual de consulta!

SUPER CURSO e o melhor: de graça para toda e qualquer pessoa, não precisa ser cliente do hospital!

Se você está grávida e na sua cidade não tem esses cursos, vale a pena fazer inscrição em uma cidade maior e aproveitar a oportunidade de aprendizado que esses cursos oferecem! Reafirmando: os daqui de BH são gratuitos e abertos a qualquer pessoa, mesmo que não seja cliente ou paciente dos estabelecimentos!


Chá de bebê, estoque de fraldas? Não!

Eu tenho uma opinião muito diferente sobre chá de panela, chá de lingerie e chá de bebê. Eu não fiz nenhum, não gosto. Acho chato, por exemplo, se você está casando e seus convidados já tem de dar um presente de casamento e você fazê-los gastar com outro presente para o chá. Mas, essa é uma opinião só minha, nunca vi ninguém que pensasse como eu, rsss. Eu também não acho que vale a pena gastar com chá de bebê, porque o dinheiro que eu iria gastar com decoração e cardápio seria superior ao que iríamos ganhar. Me desculpem por ser assim, mas eu sou enjoada... Não sei fazer nada baratinho, receber as pessoas servindo qualquer coisa; enjoada mesmo, mas, é como eu sou. Então, prefiro não fazer.

Muita gente me fala sobre fazer um estoque de fraldas. Isso é coisa que eu e o Jean também não vamos fazer, por dois motivos: o primeiro é que bebês podem vir a ter alergia a certa marca de fraldas; já vi diversos casos em que isso aconteceu e a pessoa fica com aquele monte de fraldas, tentando vender ou trocar online. O segundo motivo é que eu e o Jean somos muito financistas, no sentido que analisamos questões tipo fluxo de caixa, rendimento do nosso dinheiro, e para fazer estoque de algo, o preço teria de valer muito a pena para termos um desembolso antecipado de um dinheiro que poderia estar rendendo aplicado. E, por enquanto, não vi promoção que valesse a pena fazer isso.

Sobre marcas de fraldas, tenho acompanhado umas discussões interessantes na internet, sobre o que as mães estão achando de cada marca. No geral, a maioria fala que a fralda da Turma da Mônica do pacote azul não é boa, pois vaza. E quem quer uma fralda de vaza no lençol para ter de ficar trocando roupa de cama toda hora? lembrando que isso é a opinião da maioria; algumas mães falaram que não tiveram esse problema.
 Já a fralda Huggies, que também é da turma da Mônica, tem tido bons feedbacks por parte das mamães.
Eu comprei 1 pacote de 38 fraldas da Huggies tamanho RN para levar para a maternidade.
 
 Mas, a fralda que as mães dizem que é a melhor é a Pampers de embalagem verde. E no curso de gestantes, vimos uma propaganda da Pampers 12 horas, que promete deixar o bebê sequinho por todo esse tempo. Achei uma ótima opção para uso noturno e eu e o Jean ficamos bastante entusiasmados com a marca.



Tipo de parto e Taxa de disponibilidade

Eu sempre pensei que faria cesariana por dois motivos: o primeiro é que eu tenho hérnia de disco; e dizem que a pressão do parto normal sobre as vértebras L4, L5 e S1 (que são exatamente as vértebras onde eu tenho a hérnia) pode ser ainda mais prejudicial para a coluna. E o segundo motivo é que um ginecologista bastante experiente em uma consulta, muito tempo atrás, olhou o meu canal vaginal e disse: "aqui não passa menino não!".

Bem, fomos um dia, Jean e eu, conversar com a obstetra sobre o meu parto e sobre a taxa de disponibilidade. Em relação ao parto, a médica é favorável ao parto normal; ela deu total liberdade de escolha a mim, mas explicou que, independente da minha escolha, é interessante esperar entrar em trabalho de parto, pois, nesse processo, o corpo libera algumas substâncias que auxiliam na adaptação do bebê aqui fora. Ela também não costuma marcar partos com antecedência, tipo 38, 39 semanas; contudo, o limite que ela espera é 40 semanas.

Achei tudo o que ela falou muito coerente e a valorizei ainda mais como médica. Pois, o que se vê por aí, são médicos correndo para marcar cesárias, sem mesmo saber se o bebê está pronto. Tudo para que a agenda deles fique tranquila. Ficamos combinadas então que:
  • Eu vou fazer uma consulta com o meu ortopedista sobre a hérnia;
  • Vou fazer também uma consulta com o anestesista (tenho dúvidas se a anestesia raquidiana é boa para minha coluna, apesar dos médicos falarem que não tem nada a ver);
  • Iremos esperar até 40 semanas;
  • O tipo de parto será decidido por mim, no momento em que entrar em trabalho; caso eu tenha uma dilatação ótima e demais condições favoráveis, não vejo problema em ser normal.
Uma coisa que eu queria comentar aqui e que acho extremamente chata é sobre as defensoras do parto normal a todo custo. Pessoal, vejo sempre em fóruns do babycenter ou no instagram, mulheres agredindo outras futuras mães que desejam ter cesariana (e nunca vejo o contrário). Algumas são tão, mas tão agressivas, que parecem talifãs do parto normal. Que coisa chata, gente! Nenhuma mulher é menos mãe ou não é guerreira porque não tem seu filho por via normal! Acho tão deselegante uma pessoa querer impor sua opinião grosseiramente sobre a outra e, principalmente, acho tão ignorante pessoas que defendem cegamente um ponto de vista sem analisar ou ter posse de todos os dados que levaram certa pessoa a fazer uma opção!!! #extremistasrevejamseusconceitos.

Agora, outro assunto polêmico: a taxa de disponibilidade. Atualmente, a maioria dos médicos cobra do paciente para fazer o parto. É um valor que se paga para o seu obstetra estar disponível para você, a hora que for. Quem não aceita pagar, tem a opção de ir para o hospital e fazer com o plantonista. Os valores da taxa variam bastante, e eu mesma conversei com pessoas cujos médicos pediram valores entre R$1.000,00 e R$12.000,00, dependendo da especialização do médico, do hospital que ele atua e da cidade (capitais são mais caras do que cidades de interior). Muitas pessoas são contra a esse pagamento, ações já foram feitas contra a legalidade disso, mas a prática existe e tem o apoio da maioria das entidades de classe médicas.

Eu já fui contra também, mas, comecei a analisar a situação do médico. Os planos pagam super pouco pelo parto e, a maioria, demora até 3 meses para repassar o valor ao médico. O médico precisa estar disponível no momento em que a paciente entrar em trabalho de parto, esteja ele em um casamento, ou durante a madrugada ou quando ele está com o consultório lotado de pacientes. Ele precisa largar tudo para atender a futura mãe. Comecei a achar a taxa justa... No nosso caso, nem haveria como pensar muito, pois minha médica não atende planos de saúde, seria pagar ou ir ao plantonista. Mas, pensamos: "a gente gasta tanto dinheiro com quarto, enxoval, apartamento, e não vamos gastar com a minha vida e do bebê?". O Jean também fez muita questão que a minha médica fizesse o parto.

Conversamos então com a médica e combinamos que ela fará o parto. Não vou abrir valores aqui, mas posso dizer que ela pediu um valor e conseguimos negociar um bom desconto para pagamento à vista. Entenda-se pagamento à vista sendo feito no dia do parto. Ela não quis receber antecipado (mais um ponto para nossa médica, muito ética!).

No final, ficamos todos satisfeitos, fizemos uma negociação boa para todas as partes e eu e Jean nos sentimos muito seguros, pois estarei bem assistida, pela pessoa que tem me acompanhado desde o início da gravidez e conhece o meu histórico!

A escolha do pediatra

Esse é um tópico ao qual nós mães devemos dar muita importância. Eu não quero levar meu filho a qualquer um; médico para mim mim precisa ser educado, atencioso, responder perguntas e ser acessível a qualquer hora por telefone. Selecionei alguns médicos do plano de saúde, cujos consultórios fossem mais próximos da nossa casa. Busquei no Google referência sobre cada um deles. Os mais conhecidos quase sempre possuem reviews no site Doctoralia, onde os pacientes dão nota e fazem comentários. Gosto também quando o médico possui site e/ou artigos a seu respeito na internet. Levei a lista para a minha obstetra dar opinião. E marquei uma consulta pre-natal com o pediatra. Sim, está ficando comum as mães marcarem uma consulta com o pediatra antes do nascimento, isso foi inclusive falado pelos médicos no curso casal grávido.

Recebendo as visitas do nascimento do bebê - como preparar e proceder






A minha cabeça é uma fábrica de projetos. Eu nunca paro, estou sempre planejando e já venho pensando há tempos nas visitas de nascimento e no batizado (o qual pretendo fazer entre 4 e 6 meses após o nascimento). Nenhum dos dois será mega evento, primeiro que não termos recur$$$os, nem acho legal eventos muito exagerados, mas quero fazer direitinho, receber bem as pessoas. 

Para o nascimento do Gabriel, já está decidido que não vamos receber visitas no hospital, além dos nossos familiares mais próximos. Li diversos relatos de mamães falando que esse período imediatamente pós-parto, a mulher está acabada, com dores e ainda tentando se adaptar às novidades. O bebezinho então, coitado, está tentando se ajustar a um mundo novo! Precisamos de um tempo! Definimos então, por receber demais familiares e amigos assim: 

Chá de apresentação - Será um dia (domingo à tarde), em que iremos receber, irmãos, tios e primos. Enviaremos um convite, marcando data e informando que estaremos recebendo em tal horário (data de início e de fim). Montaremos uma mesa com chás, sucos e petiscos doces, na qual a própria pessoa se serve. Eu falei acima que não fiz chá de panela, nem chá de bebê. Vejo o chá de apresentação de modo diferente, pois não vou dar papeizinhos para as pessoas pedindo coisas, entende? Vou servir um chá da tarde para os familiares. Apesar de ter o nome chá, o conceito é diferente.

Eu pretendia receber os amigos deixando a data de visita à vontade, mas, já estou pensando em também fazer um chá de apresentação e convidar todos na mesma data. Estou pensando e achando que vai ser mais prático... Vamos ver!

Exemplo de uma mesa de chá de apresentação:



Como pode-se ver na foto, não é nada muito complicado de organizar. É só planejar antes o que irá servir e comprar algo para dar de lembrancinha aos convidados. Gostoso, elegante, descomplicado e intimista. Totalmente o meu estilo!

A data em que iremos começar a receber vai depender dos minhas condições físicas pós-parto e do Gabriel. Estando muito bem, sem dores e animada, pretendo fazer o chá de apresentação 30 dias após o parto. Acho que esse esquema tem tudo para dar certo!

Sobre etiqueta para receber o bebê, sim, existe uma, principalmente para os convidados. O correto e educado é que as visitas sejam curtas (li em vários lugares que deveria ser em torno de 20 minutos, mas acho isso muito difícil de acontecer); que pessoas gripadas não visitem o bebê e que ninguém peça para pegar o recém nascido, principalmente nos primeiros dois meses. Eu e o Jean não vamos falar nada, nem negar nada. É claro que, ainda mais nascendo no inverno, se eu notar que alguém está gripado, com toda a educação do mundo vou dizer que "vou deixar o Gabriel um pouquinho longe, para não ficar gripadinho também". E também com todo jeitinho, vou pedir para as pessoas passarem um álcool em gel nas mãos, antes de entrar no quartinho. Com todo jeitinho mesmo, mas vou. A criança tem uma resistência super baixa nos primeiros meses.

  • Queridos, acho que nesse post tem um resumo bem abrangente de tudo o que me aconteceu e acontece com outras mães no 2º e 3º trimestres. Se ocorrer algo a mais nessas últimas semanas, eu faço um update aqui. Para quem está chegando agora, fiz uma série de posts e vídeos especiais sobre maternidade (e ainda teremos mais alguns vídeos e posts legais sobre o nascimento e o chá de apresentação, se Deus quiser e tenho certeza que ele quer). Abaixo os links para tudo o que foi postado até agora e o que está sendo preparado para breve:
Posts

Minha gravidez: cuidados básicos


Montando um enxoval enxuto para o seu bebê



Próximo post:
  • Ensaio fotográfico gravidez

Vídeos 

Vídeo - Fazendo o enxoval de bebê da Carter´s no Brasil



Vídeo - Mala da maternidade prática - Mamãe e bebê



Próximos vídeos:
  • Como não engordar muito na gravidez 
  • Quarto do Gabriel
  • E outros mais... Aguardem!!!